CapitalNews

Quarta-Feira, 13 de Março de 2019, 13h:56

Prefeitura destaca queda de 1,4% para 1,1% de infestação do Aedes aegypti

Segundo Levantamento de Índice Rápido do Aedes realizado pela Prefeitura de Três Lagoas mostra que população deve continuar em situação de alerta

Flavia Andrade
Capital News

Divulgação/PTL

Prefeitura destaca queda de 1,4% para 1,1% de infestação do Aedes aegypti

Segundo Levantamento de Índice Rápido do Aedes realizado pela Prefeitura de Três Lagoas mostra que população deve continuar em situação de alerta

 

Nesta quarta-feira (13), a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, através do Setor de Controle de Endemias da Diretoria de Vigilância em Saúde e Saneamento, divulga os extratos do segundo Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti – LIRA de 2019.

 

De acordo com o LIRA de fevereiro/março, o índice geral de infestação do Aedes aegypti é de 1,1%. Com isso, seguindo os critérios de avaliação do Ministério da Saúde, quando são identificadas de uma a três casas infestadas a cada 100 propriedades pesquisadas, o índice é pontuado como sendo uma situação de alerta.

 

Segundo o coordenador do Setor de Endemias e Controle de Vetores, Alcides Divino Ferreira, “houve uma pequena queda nos índices de infestação do Aedes aegypti, comparando com os resultados do LIRA de janeiro/2019. Porém, continuamos vivendo situação de alerta e as ações de enfrentamento ao Aedes aegypti deverão continuar sendo intensificadas”, afirma.

 

Com base nos extratos do segundo LIRA de 2019, a situação de alerta, vem sendo constatada, principalmente, nos seguintes bairros: Vila Nova, Vila Alegre, Vila Haro, Centro, Interlagos, Lapa, Santa Luzia, Paranapungá, São Carlos e Jardim Alvorada.

 

É necessária a conscientização da população com relação ao lixo em geral, que foram constatados jogado nos quintais e até no interior das residências, como, latas, recipientes de plástico, sucatas e entulhos, o qual representa 57,9% dos criadouros encontrados.

 

Com relação aos pequenos depósitos móveis, como baldes, vasilhas, copos de plástico, bebedouros de animais de estimação e outros ocupam o segundo lugar no LIRA, com 34,2%.

 

Já em terceiro lugar, considerando os extratos do LIRA, com 5,3%, os chamados “depósitos fixos”, na sua maioria encontrados dentro das residências, como ralos de banheiros, vasos sanitários com pouco uso ou de  casas desabitadas.

 

Os Agentes de endemias visitaram 3.777 imóveis, onde constatou-se a presença de 38 depósitos positivos do Aedes aegypti.

 

Sendo assim, o Índice de Infestação Predial (IP) é de 1,1% e o Índice de Infestação de “Breteau” (IB), baseado na quantidade de depósitos encontrados em cada imóvel visitado, ficou em 1,4%.

 


Fonte: CapitalNews

Visite o website: wwww.capitalnews.com.br