00:00:00 Sexta-feira, 19 de Julho de 2024


Cotidiano Sexta-feira, 17 de Março de 2017, 07:20 - A | A

Sexta-feira, 17 de Março de 2017, 07h:20 - A | A

IRREGULARIDADES

Sanesul e Secretaria de Meio Ambiente investigam ligações clandestinas em bairro de Três Lagoas

Objetivo é evitar despejo de esgoto nas redes de água que ligam a segunda e terceira lagoa

Flavia Andrade
Capital News

Divulgação/Prefeitura de Três Lagoas

Sanesul e Secretaria de Meio Ambiente investigam ligações clandestinas em bairro de Três Lagoas

Fiscais percorrem casas no bairro Interlados, em Três Lagoas, para identificar irregularidades

A Secretaria de Meio Ambiente e Agronegócio de Três Lagoas e fiscais da Sanesul, iniciaram nesta quarta-feira (15) uma ação que visa identificar casas do Bairro Interlagos que estejam despejando esgoto na rede de água pluvial que liga a segunda e a terceira lagoa (Lagoa Maior), além de ligações clandestinas de água pluvial na rede de esgoto.

 

Para fazer a identificação, os fiscais contam com auxílio de um produto que é despejado em pias dentro das residências, e assim acompanhar para onde a água do local é levada. Fatores como a cor esbranquiçada dá água são utilizados para revelar o caminho que o produto percorreu e indicar se a ligação está correta ou não.

 

“Essa ação vai identificar quais casas estão com ligações irregulares, pois o lançamento de esgoto na rede de drenagem contamina a Lagoa Maior, haja vista que esse despejo vai diretamente para o lago sem tratamento e, o lançamento de água na rede de esgoto sobrecarrega o sistema e acarreta o transbordo da estação elevatória de esgoto (EEE), pois ela não está dimensionada para tal vazão”, explicou o fiscal ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, Fabrício de Moura Santos.

 

Os primeiros locais a passar pela experiência foram as casas na rua Alcinda Mendes no cruzamento com a rua Egídio Thomé, a ação segue até a avenida Aldair Rosa de Oliveira. Ainda não há um prazo estipulado para encerrar as investigações, já que muitos moradores não permitem a entrada dos fiscais. Nestes casos, é deixado um aviso, agendando uma nova data para que o morador esteja presente, caso contrário, será utilizada força policial.

 

“Essa ação é para evitar que a Lagoa Maior seja contaminada gerando danos ambientais. Além disso, peço que aqueles que estejam com ligações irregulares corrijam, pois é um bem para a cidade, afinal as lagoas são um patrimônio de todos”, disse o secretário de Meio Ambiente, Celso Yamaguti.

 

Nos locais em que forem encontradas ligações irregulares, o dono do imóvel não é autuado de imediato, recebendo antes uma notificação com um prazo de 30 dias para correção. “Se em uma nova vistoria, após esse prazo, o morador não tiver corrigido a ligação irregular, ele é multado de acordo com o que a lei federal preconizar”, conclui Fabrício Santos.

Comente esta notícia