00:00:00 Terça-feira, 16 de Julho de 2024


Cotidiano Quarta-feira, 09 de Maio de 2018, 07:49 - A | A

Quarta-feira, 09 de Maio de 2018, 07h:49 - A | A

GRIPE

Secretaria confirma 1ª morte por H1N1 em MS; quatro já morreram por H3N2

Vítima era portadora de doença crônica cardíaca

Laura Holsback
Capital News

O primeiro óbito por H1N1 foi confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde de Três Lagoas, no final da tarde desta terça-feira (8). Até agora, outras quatro mortes tiveram diagnóstico de causa a influenza H3N2, em Mato Grosso do Sul.

Divulgação/Hospital Auxiliadora

Hospital de Três Lagoas investe mais de R$ 1 milhão em construção de Centro de Hemodiálise

Morte ocorreu no hospital Nossa Senhora Auxiliadora

 

A morte pela gripe H1N1 foi de um idoso, de 70 anos. Ele havia sido internado no Hospital Auxiliadora na segunda-feira (7) com sintomas da gripe influenza A que sentia havia cerca de quatro dias. Ainda conforme as informações, o idoso era portador de doença crônica cardíaca. 

 

A confirmação da doença foi feita por meio de mostra de sangue coletada e encaminhada para Campo Grande.

 

Segundo a secretaria, contatos diretos com o idoso foram avaliados e foi verificado que não há ninguém com sintomas de gripe.

 

Mortes por Influenza H3N2

A primeira morte em decorrência de complicações com a Influenza H3N2, neste ano, foi de uma mulher, de 58 anos. Ela morreu no mês de março, em Campo Grande.  O segundo caso foi de um homem, de 44 anos, também na Capital. A morte dele foi no dia 18 de abril, após ele fugir de unidade de saúde. Ambos não eram vacinados e tinham diversas doenças crônicas ou patológicas.

 

Uma advogada, de 30 anos, morreu na quinta-feira (19), em Naviraí. Ela havia buscado atendimento outras duas vezes, mas relatava ser amigdalite recorrente. Na última vez que foi ao hospital da cidade, a mãe precisou chamar os bombeiros. Segundo familiares, ela não era vacinada.

 

Na segunda-feira (23), outro homem, de 48 anos, morreu por Influenza H3N2. O caso aconteceu em Aquidauana. A vítima não havia tomado vacina, era alcoólatra e tinha insuficiência respiratória.

 

Além das quatro mortes, dois casos estão em investigação em Campo Grande e Aquidauana: um bebê, de 2 meses, e um idoso, de 72 anos.

 

Comente esta notícia