Três Lagoas/MS, Domingo, 25 de Agosto de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Economia
Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019, 11h:59
Tamanho do texto A - A+

Conglomerado Russo Acron vai comprar UFN3 por R$ 8,2 bilhões

A Acron é uma das principais produtoras russas e mundiais de fertilizantes minerais

Flavia Andrade
Capital News

Edemir Rodrigues/Portal do MS

Conglomerado Russo Acron vai comprar UFN3 por R$ 8,2 milhões

A Acron é uma das principais produtoras russas e mundiais de fertilizantes minerais

Parceria entre o Governo do Estado e o conglomerado russo Acron, já tem data prevista para a assinatura do contrato do conglomerado, para firmalizar a compra da Unidade de Fertilizantes Unidade de Fertilizantes Nitrogenados 3 (UFN3) da Petrobrás, localizada no município de Três Lagoas.

 

Representantes buscam acertar com Reinaldo Azambuja, os incentivos fiscais que isenta de impostos estaduais a aquisição da estrutura e dos maquinários para conclusão da obra. O negócio entre a estatal brasileira e a companhia da Rússia é de R$ 8,2 bilhões.

 

De acordo com o governador, “O conglomerado russo quer receber os mesmos incentivos fiscais concedidos à Petrobras. A comitiva russa esteve reunida com as equipes do governo durante todo o dia para apresentar o cronograma de como será a negociação, a retomada de investimentos, o volume de recursos aportado. Eles pediram o incentivo fiscal, porque o incentivo foi concedido à Petrobras. Então nós teríamos que fazer uma transferência desse incentivo à empresa compradora”, declara Azambuja.

 

A retomada da venda da fábrica iniciou em junho deste ano, após o Supremo Tribunal Federal (STF) liberar a venda do controle acionário de subsidiárias de empresas públicas e sociedades de economia mista, sem que para isso seja preciso aval legislativo ou processo de licitação.

Arquivo

Russos mantém interesse na UFN 3, mesmo com pendência jurídica

Justiça liberou venda da unidade da Petrobras em Três Lagoas

Conforme o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, “Entre os incentivos fiscais que serão repassados à Acron estão isenção de alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na importação de equipamentos para a fábrica, e incentivo fiscal sobre a cobrança do mesmo imposto na venda da ureia para outros estados brasileiros. Da nossa parte já está muito claro: o que o governo quer é que Petrobras e Acron fechem o negócio”, pontua Verruck.

 

Para o Secretário de Fazenda, Felipe Mattos, “É importante destacar a criação de um novo mercado de insumos e a diversificação da matriz econômica. “Além do desenvolvimento regional que a retomada da fábrica de fertilizantes vai proporcionar com a geração de empregos, está sendo consolidada uma nova matriz econômica no Estado, com a venda de um insumo que hoje vem de fora do estado ou importado de outros países, para uma das principais atividades econômicas do Mato Grosso do Sul que é o agronegócio ”, afirma Mattos.

 

O Governo do Estado estima que o complexo vai gerar cerca de mil empregos diretos e aproximadamente 10 mil postos de trabalho indiretos, considerando que, a planta de fertilizantes nitrogenados tem capacidade de produção de 70 mil toneladas/ano de amônia e 1.223 mil toneladas/ano de ureia granulada. O complexo é composto por unidade de geração de hidrogênio, unidade de produção de amônia, unidade de produção de areia, de granulação, utilidades, áreas de estocagem e expedição. 

 

O investimento será de U$ 1 bilhão pelo conglomerado russo Acron Group, na aquisição da UFN-3 em Três Lagoas. A data está prevista para agosto deste ano, da assinatura do contrato, o qual irá sacramentar a transferência integral da unidade para a empresa russa. Com isso, a construção da fábrica recomeçaria no primeiro semestre de 2020, e as operações estão programadas para ter início até 2024.

 

A Acron é uma das principais produtoras russas e mundiais de fertilizantes minerais, com um portfólio diversificado de produtos composto por fertilizantes com múltiplos nutrientes, como NPK e misturas a granel, bem como produtos diretos à base de nitrogênio, como uréia, nitrato de amônio e UAN. O Grupo também produz produtos de síntese orgânica, incluindo metanol, formaldeído e UFR, e produtos de síntese inorgânicos, como nitrato de amônia de baixa densidade, dióxido de carbono e carbonato de cálcio.

 

O NPK utiliza uma mistura de três nutrientes primários, nitrogênio, fósforo e potássio – foi responsável por aproximadamente 50% das vendas de fertilizantes da empresa em 2007 em volume. O grupo é o terceiro maior produtor de fertilizantes com foco em nitrogênio na Rússia e o quarto maior da Europa. Além disso, a Companhia produz aproximadamente 1% da produção total de fertilizantes de nitrogênio e fosfato no mundo e 13% dessa produção na Rússia.

 

O Acron Group opera em seis países. Em 2017, vendeu seus produtos para 65 países. Os principais mercados de vendas do Grupo são Rússia, Brasil, Europa e Estados Unidos. A empresa é membro da Associação Internacional da Indústria de Fertilizantes, reunindo mais de 450 produtores de 80 países.

 

Estiveram presentes nas reuniões Igor Kuznets, Alex Dynkin, Ilya Popov, Alex Banchenko e Evgenia Teterina, da Acron. Carlos Eduardo Ramos de Cerqueira, Cristiano Gadella Vidal Campelo, Mario Lúcio Lobato, Marcia Springer e Gustavo Ferreira da Petrobras, além dos representantes do escritório Pinheiro Neto Advogados, Felipe Bernadelli e Raphael Paciello.

Arquivo

Petrobrás inicia negociações com grupo chinês pelo Consórcio UFN3

Com 80% das obras concluídas, UFN3 pode ser vendida para grupo Russo

 

(Matéria editada dia  19-07-2019 às 20h32 para correção de informações) 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix