00:00:00 Domingo, 21 de Julho de 2024


Economia Segunda-feira, 19 de Junho de 2017, 17:54 - A | A

Segunda-feira, 19 de Junho de 2017, 17h:54 - A | A

MERCADO FINANCEIRO

J&F firma acordo com grupo chileno e venda da Eldorado está próxima de se concretizar

CVM recebeu fato relevante da empresa de Joesley Batista e negócio deve ser fechado

Gian Nascimento
De Três Lagoas para o Capital News

Bruno Chaves/Arquivo Capital News

Eldorado Brasil, fábricas de celulose, produção de eucaliptos

Eldorado passa por análise para aquisição por parte da Arauco, que investiria R$ 11 bilhões para administrar a indústria

A Eldorado Brasil está próxima de ter um novo dono. A J&F, grupo liderado por Joesley Batista, enviou na última sexta-feira (16), um fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informando o acordo de confidencialidade firmado com a Arauco y Constituición, grupo chileno que apresentou uma proposta de R$ 11 milhões pela indústria de celulose na última semana.

 

O consórcio do Chile foi o primeiro a oficializar a intenção de administrar a empresa com sede em Três Lagoas. De acordo com o jornal Valor Econômico, a Copec, que tem indústrias de celulose e madeira, já confirmou interesse em fazer a compra da Eldorado e agora o acordo passará por uma análise de eventual transação envolvendo a companhia.

Ao jornal, a Arauco y Constitución disse que está avaliando a Eldorado, ressaltando as qualidades que fizeram com que o interesse acontecesse. “A companhia firmou preliminarmente um acordo de confidencialidade, com o fim de explorar um possível investimento na Eldorado, uma empresa dedicada à produção de celulose, através de seu ativo mais importante, isto é, uma planta com capacidade de produção de 1,7 milhão de toneladas anuais de celulose de fibra curta”.

Além da Arauco, as empresas brasileiras Suzano Papel e Celulose e Fibria, também demonstraram interesse na aquisição da Eldorado, porém até o momento não formalizaram nenhuma proposta oficial a J&F. A proposta da Arauco de R$ 11 bilhões já inclui os R$ 8 bilhões de dívidas da empresa.

Comente esta notícia