00:00:00 Sábado, 20 de Julho de 2024


Polícia Sábado, 08 de Setembro de 2018, 14:36 - A | A

Sábado, 08 de Setembro de 2018, 14h:36 - A | A

INVASÃO

Alterado e sob efeito de droga, homem invade residência e é imobilizado por populares

Na casa estava uma mulher com a filha, quando ouviram um forte barulho na frente da casa e perceberam que um homem estava no local

Gian Nascimento
De Três Lagoas para o Capital News

Rádio Caçula

Alterado e sob efeito de droga, homem invade residência e é imobilizado por populares

Suspeito mora em Três Lagoas há seis meses e trabalhava como vendedor de cestas básicas

Um homem de 25 anos foi detido após tentar invadir uma residência, no bairro Vila Haro, em Três Lagoas. Durante a invasão, o rapaz foi imobilizado por populares até a chegada da Rádio Patrulha no local.

Na casa estava uma mulher de 44 anos com a filha, quando ouviram um forte barulho na frente da casa e perceberam que um homem estava no local gritando e de maneira visivelmente alterada na madrugada de quinta-feira (06), segundo informações da Rádio Caçula, do município.

A mulher pediu ajuda aos irmãos que moram próximo e foram até o local. Ao chegarem, os homens, ambos de 41 anos, se depararam com o autor dentro do quintal da casa. Ao vê-los, o suspeito pulou o muro tentando fugir, mas foi perseguido pela dupla, que tentou imobilizá-lo.

Na tentativa de fugir, o homem sacou uma faca de cozinha para os irmãos, mas com a ajuda de vizinhos ele foi imobilizado e a polícia acionada. Quando a guarnição chegou ao local, o suspeito ainda estava muito nervoso, precisando ser algemado e colocado no compartimento de presos da viatura policial.
 
Os policiais constataram que o indivíduo havia bebido, pois estava com forte odor de bebida alcóolica. Ele ainda confessou aos policiais que fez uso de cocaína momentos antes. Em conversa com os policiais, o homem alegou que tentou entrar no local porque estaria sendo perseguido por alguém, que queria matá-lo.

Segundo o suspeito, ele é natural de Parambu (CE) e mora em Três Lagoas há seis meses, trabalhando como vendedor de cestas básicas. O homem foi encaminhado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) para as medidas necessárias.

Comente esta notícia