00:00:00 Sábado, 20 de Julho de 2024


Polícia Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018, 14:31 - A | A

Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018, 14h:31 - A | A

FRAUDE

Dono de residencial é preso em flagrante em operação contra desvio de energia

Com a fraude, havia redução no consumo, fazendo com que o preço do aluguel ficava mais atrativo aos locatários

Gian Nascimento
De Três Lagoas para o Capital News

Reprodução/MS Todo Dia

Dono de residencial é preso em flagrante em operação contra desvio de energia

O crime foi constatado por meio de foto e análise pericial

O proprietário de um residencial de quitinetes em Costa Rica foi preso em flagrante nesta terça-feira (16) acusado de furtar de energia. A descoberta aconteceu durante operação conjunta realizada entre a Polícia Civil e a Energisa – concessionária de energia.

 

Descobriu-se que, através da fraude, ele conseguia diminuir o consumo, em que o preço do aluguel ficava mais atrativo aos locatários. De acordo com o site MS Todo Dia, ele oferecia cada unidade por R$ 480, o que já incluía o consumo de água e luz de forma totalmente ilimitada. Foram presas quatro pessoas, no entanto a ação continua.

 

Segundo o boletim de ocorrência, o imóvel foi apontado como suspeito pela concessionária de energia. Na operação, perito da polícia técnica constatou a irregularidade por meio do desvio das fases do medidor. No endereço havia três padrões de energia, dentre os quais, um deles alimentava a residência e outros dois as quitinetes. Os das quitinetes estavam com os lacres rompidos e com alteração nas fases.

 

O crime foi constatado por meio de foto e análise pericial. Diante dos fatos, o responsável recebeu voz de prisão e foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil. Os trabalhos tiveram início às 8 horas da manhã e novas prisões podem acontecer, pois as equipes ainda têm sete pontos suspeitos para visitar.

 

 

Ao todo, foram 42 locais investigados, com 14 ligações clandestinas que geraram prejuízo global de R$ 50 mil. De acordo com a Energisa, os clientes foram autuados e devem pagar pela energia consumida durante o período da fraude.

Comente esta notícia