Terça-feira, 25 de Junho de 2024


Polícia Terça-feira, 19 de Julho de 2016, 15:54 - A | A

Terça-feira, 19 de Julho de 2016, 15h:54 - A | A

Três Lagoas

Hospital alerta para casos de estelionatos aplicados por falsos médicos

Número de casos registrados na cidade vem crescendo e, até o momento, nenhum suspeito foi preso

Marco Campos
Capital News

Marco Campos/Capital News

Hospital Auxiliadora de Três Lagoas

Hospital Auxiliadora de Três Lagoas

Os estelionatários costumam usar e abusar da ingenuidade de algumas pessoas para aplicar os mais variados tipos de golpes, enganando suas vítimas e conseguindo subtrair facilmente suas economias e desaparecendo assim que atingem o seu objetivo.

Em Três Lagoas, cidade no leste de Mato Grosso do Sul, uma categoria deste crime esta se tornando muito comum, e os bandidos se aproveitam do momento de fragilidade de pessoas que estão com seus entes queridos internados em unidades de saúde da região e se passando por médicos ou funcionários do hospital, pedem que uma alta quantia seja depositada em determinada conta, para que um procedimento emergencial, que salvará a vida do paciente, seja realizado emergencialmente.

Em janeiro deste ano foram registrados onze casos semelhantes e de acordo com o delegado responsável pelas investigações, o bandido age da mesma forma, ludibriando sua vítima lhe passando informações convincentes a respeito do quadro clinico do paciente e na sequência fala sobre os procedimentos que devem ser realizados com urgência. Em março deste ano, mais dois casos semelhantes foram registrados em Três Lagoas.

Até o momento ninguém foi preso e a equipe de investigação da Polícia Civil continua apurando os casos.

O Hospital Auxiliadora, através de sua assessoria de imprensa, emitiu uma nota oficial a respeito do caso. No documento, a unidade afirma que seus funcionários não têm autorização para telefonar aos parentes dos pacientes internados e solicitar o pagamento de exames ou qualquer tipo de pagamento.

A unidade também pede a atenção de seus assistidos e caso recebam alguma ligação, que entrem em contato imediatamente com os setores de psicologia ou com o serviço social do hospital.

Comente esta notícia