00:00:00 Quinta-feira, 25 de Julho de 2024


Polícia Quinta-feira, 10 de Maio de 2018, 16:19 - A | A

Quinta-feira, 10 de Maio de 2018, 16h:19 - A | A

Operação Hidra de Lerna

Jovem foi morto pelo “tribunal do crime” depois de cometer estupro, diz polícia

Mecânico foi torturado por bandidos de facção antes de ser morto por "encomenda" da mãe da adolescente

Flávio Brito
Capital News

O assassinato de Alisson de Souza Santos, 24 anos, ocorrido em fevereiro deste ano, em Três Lagoas, é resultado de um “julgamento” do “tribunal do crime”. Operação policial entre militares e civis foi  desencadeada na manhã desta quinta-feira (10) para esclarecer o caso. A ordem para matar Alisson partiu de uma facção criminosa que age em presídios de vários Estados.

 

Conforme o site JP News, são cumpridos 19 mandados de prisão e 13 de busca e apreensão. Ainda de acordo com o site de Três Lagoas, 16 pessoas foram presas hoje.

 

Álisson foi “condenado” por ter se envolvido com uma adolescente de 16 anos e cometido estupro, segundo o delegado regional da Polícia Civil, Rogério Fernando Makert, durante coletiva. A morte dele teria sido encomendada pela mãe da adolescente. A mulher é uma das 16 pessoas presas durante a operação Hidra de Lerna, iniciada às 5h30 de hoje, com atuação de 93 policiais civis e militares, e com apoio de um helicóptero da PM de Campo Grande, informou o JP News.

 

Crime

O corpo de Alisson foi achado no dia 1º de março, em matagal de sítio perto de uma indústria de celulose, em Três Lagoas, a 100 metros da rodovia BR-158. Ele foi morto degolado e o cadáver já estava em avançado estado de decomposição.

 

Comente esta notícia