Sábado, 15 de Junho de 2024


Três Lagoas Segunda-feira, 28 de Julho de 2014, 10:53 - A | A

Segunda-feira, 28 de Julho de 2014, 10h:53 - A | A

Funcionários da saúde prometem greve no hospital Auxiliadora

Redação Capital News (www.capitalnews.com.br)

Enfermeiros, técnicos e auxiliares do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, em Três Lagoas, prometem cruzar os braços nesta quarta-feira, 30. A unidade hospital deve trabalhar com apenas 30% do quadro de funcionários, trabalhando em sistema de rodízio.

Essa decisão foi tomada depois de assembléia geral promovida pelo Seta (Sindicato dos Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares) na última sexta-feira, 24. A categoria pede 15% de reajuste e vale alimentação de R$ 150. A empresa hospitalar ofereceu 8% de aumento salarial linear e R$ 10 a mais no vale alimentação, que foi rejeitada pelos membros do sindicato. “Nossa classe é muito unida e bem resolvida. Sabemos que esta proposta está longe do ideal. Infelizmente, em Três Lagoas, a classe da saúde é muito desvalorizada e nós, do sindicato, vamos lutar para reverter essa situação”, explicou João Carvalho, presidente do SETA.

Como a discussão já se alonga há meses, os funcionários decidiram pressionar o hospital. “Não temos escolha. O Auxiliadora deixou claro que essa seria a última proposta e os funcionários decidiram não aceitar. Desta forma, entraremos em greve na próxima quarta-feira, já que o indicativo de greve foi protocolado junto à empresa no sábado, 26”, esclareceu o advogado do Seta, Rodolfo Guerra.

João Carvalho garantiu que a paralisação não deixará a população desamparada. “Temos ciência da importância de nossos serviços para a sociedade, por isso, parte dos colaboradores continuarão trabalhando normalmente, dando todo suporte a população que não tem culpa da desvalorização imposta a nós”, garantiu.

Também em negociação, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde de Três Lagoas acatou a proposta de 8% enviada pelo Hospital Auxiliadora. O sindicato representa os funcionários administrativos, serviços gerais, recepcionistas e outras funções que não se enquadram como enfermeiros, técnicos e auxiliares.

Comente esta notícia