Segunda-feira, 24 de Junho de 2024


Três Lagoas Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013, 11:25 - A | A

Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013, 11h:25 - A | A

Greve na fábrica de fertilizantes completa 9 dias

Fernanda Kintschner - Capital News (www.capitalnews.com.br)

Cerca de 3.500 operários do consórcio UFN III, responsável pela construção da fábrica de fertilizantes da Petrobras em Três Lagoas, continuam parados e sem previsão de voltar ao trabalho. Segundo a assessoria da empresa, os trabalhadores sequer tem uma pauta de reivindicação. Eles estão paralisados desde o dia 15 de janeiro.

Já os representantes dos operários informam que há mais de 15 itens a serem revisados, sendo a maioria deles de cunho social. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil Pesada (Sintiespav) João Francisco de Andrade, uma nova reunião está marcada para amanhã (25) entre os sindicatos, o Ministério Público do Trabalho e os trabalhadores para acertarem as questões a serem negociadas com a empresa.

“Uma que já decidimos é que os grevistas tenham estabilidade por 60 dias no emprego após o término da greve, para que não sejam demitidos por reivindicarem seus direitos”, explicou João, que também alega que os trabalhadores estariam sendo motivados a continuarem a paralisação pela Federação dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil e do Mobiliário de Mato Grosso do Sul (Fetricom), a qual representa os sindicatos e não os trabalhadores.

Porém o presidente da Fetricom, Webergton Sudário da Silva, nega tal fato. Segundo ele, foi feito uma assembleia geral e a maioria decidiu por continuar a paralisação, mesmo sabendo dos riscos. “Nós temos gravado a reunião e pautamos os prós e os contras. Não queremos a continuação da greve, mas se a maioria decidiu por isso, nós defenderemos os trabalhadores também”, afirmou.

Ainda de acordo com Webergton, são reivindicadas melhorias em alojamentos, acertos em desvios de função, nas baixadas (dias de folga) em dias da semana e não aos finais de semana os quais os trabalhadores já têm direito, entre outras coisas. “Mas a empresa não quer conversar com os operários”, finalizou Webergton.

Outro lado

A assessoria da empresa UFN III informou ao Capital News que ficou acertado na última reunião, seis dias após o início da greve, que a empresa abonaria dois dias e os outros quatro seriam pagos em serviço pelos trabalhadores aos sábados, porém a greve continuou e isso terá que ser novamente revisto.

Outra questão alegada pela assessoria é que na última terça-feira (22) seria apresentada a pauta de reivindicações dos trabalhadores, mas até esta manhã não haviam recebido nada para ser negociado. A empresa ainda afirma que sem avanço nas negociações os prejuízos financeiros continuam e que os mesmos serão calculados e cobrados após a retomada dos trabalhos.

Fábrica

A fábrica será maior na produção de fertilizantes do mundo. A previsão para o início das operações é abril de 2014. Segundo informações da Prefeitura de Três Lagoas, a fábrica da Petrobras terá uma produção anual de 1 milhão e 250 mil toneladas/ano de ureia granulada e perolada e 81 mil toneladas/ano de amônia. Após a instalação definitiva, também será agregada a produção de nitrogênio e potássio.

O empreendimento será instalado na Rodovia BR 395, na mesma região onde estão instaladas as fábricas da International Paper e Fibria em terreno adquirido pelo Governo Estadual e Prefeitura, pelo valor de R$ 5,98 milhões. (Matéria alterada às 14h31 para acréscimo de informações)

 

Comente esta notícia